Home
Informações do Evento

Informações do Evento



 

PERÍODO: 30 de agosto de 2018 a 16 de fevereiro de 2019

 

LOCAL: Departamento de Solos da ESALQ/USP, na Av.Pádua Dias, 11, em Piracicaba, SP

 

COORDENAÇÃO

- Prof.Dr.José Alexandre Melo Demattê (ESALQ/USP)

- Grupo de Geotecnologias em Ciência do Solo

 

OBJETIVO: Apresentar aos usuários o processo de análises de solo via espectroscopia Vis-NIR, fornecendo subsídios teóricos e exemplos reais das vantagens e limitações da tecnologia. Espera-se, também, apresentar fundamentos da técnica, bem como discutir a sua viabilidade. Através deste programa, o usuário terá condições de entender a técnica e ter um maior espírito crítico em relação ao tema ora em vigência. O projeto tem cunho científico e extensão, permitindo que todos os laboratórios do Brasil possam se inteirar das novas tecnologias ora em andamento

 

PÚBLICO ALVO: Para o ProBASE1 o público são profissionais vinculados à um laboratório de Análise de Solos, sendo permitido um acompanhante, mediante taxa extra (veja ítem Taxa de Inscrição, a seguir)

 

NÚMERO DE VAGAS: 100

 

TAXA DE INSCRIÇÃO (INSCRIÇÕES PRORROGADAS PARA 19/10/2018)

- Para pessoas vinculadas a laboratório de Análise de Solos e que irão participar das atividades de demonstração da técnica - R$ 4.000,00.

- Para acompanhante R$ 1.000,00, é permitido apenas um acompanhante por inscrito.

 

OBS.: 

1) Todos os participantes precisarão anexar um comprovante de vínculo com um Laboratório (seja proprietário, sócio ou funcionário), pode ser uma declaração em papel timbrado, que conste o nome do Laboratório, Estado e Muniípio. O acompanhante não precisa deste comprovante. (ANEXAR NO CAMPO DE "COMPROVANTE DE ESTUDANTE")

2) A inscrição que tiver acompanhante deverá ser feita em grupo. A Opção em "Grupo" é para quem for fazer mais de uma inscrição.

 

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

 

 

 

 

Programa de Extensão

 

 Título do programa: “PROBASE1: Programa Brasileiro de Análise de Solos via Espectroscopia”

 

Instituição Sede: Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Departamento de Ciência do Solo, Piracicaba, SP

 
Coordenador: Prof. Dr José Alexandre M. Demattê

 

Grupo de Pesquisa envolvido: GeoCiS, Geotecnologias em Ciência do Solo

 

1 Problemas detectados/demanda

Há a necessidade de estabelecer fundamentação teórica pratica na área de analises de solo via espectroscopia

 

2 Literatura

A literatura já apresenta fortes publicações onde concluem ser possível a quantificação de alguns elementos do solo pela técnica da espectroscopia ótica. Os elementos com mais força são os estruturais como areia, silte, argila, matéria orgânica e CTC. Em estudos mais aprofundados, existem boas correlações com V e m%. A literatura já tem artigos de quantificação destes elementos, com prioridade para argila em qualquer plataforma, desde sensor em laboratorio (faixa de 80-90% acerto) ate em satélite (faixa 60-70% acerto).Portanto, há a necessidade de relacionar e interligar a literatura com os aspectos práticos vendo suas vantagens e limitações.

 

3 Objetivo e público alvo

Específico para proprietários ou representantes de laboratórios de análises de solo. Tem-se observado um movimento no uso de sensores (espectroscopia-VNIR) como parte das análises de solo realizadas por laboratórios de rotina. Baseado em 26 anos de experiência nacional e internacional, tal tecnologia de fato, tem méritos. Por outro lado, entendemos necessário e oportuno, que todos os laboratórios do Brasil, tenham a oportunidade de entender/compreender do que se trata a técnica. Trata-se de um investimento no futuro próximo das análises de solo em várias partes do mundo, mas que ainda necessita de esclarecimentos. Para tanto, está sendo criado um programa que visa atender esta demanda. O presente programa, visa fornecer subsídios teórico práticos a profissionais ligados a laboratórios de analises de solo. Num segundo momento serão criados outros ProBASE para profissionais liberais.

 

4 Objetivo do programa

Trata-se do primeiro programa do Brasil a fomentar os laboratórios de rotina nesta linha de trabalho, bem como os profissionais envolvidos. Tem-se por objetivo fornecer subsídios aos laboratórios sobre a técnica de análise de solo via espectroscopia de reflectância (VNIR), permitindo que os mesmos tenham conhecimento de seus fundamentos, vantagens e limitações. Através deste programa, o usuário terá condições de entender a técnica e tomar suas próprias decisões.

 

5 Ministrante e vínculo institucional

José Alexandre Demattê (http://www.solos.esalq.usp.br/equipe/docentes)

Professor Titular do Departamento de Ciência do Solo da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/Universidade de São Paulo, Coordenador do Laboratório de Sensoriamento Remoto Aplicado a Solos (http://esalqgeocis.wixsite.com/geocis) e da Biblioteca Espectral de Solos do Brasil (http://bibliotecaespectral.wixsite.com/esalq). É pesquisador do CNPq com pós-doutorado no INPE-Brasil, Arizona, Califórnia, Texas, Austrália e França. Especialista em pedologia, sensoriamento remoto e próximo, quimiometria e espectroscopia com experiência há 26 anos em ensino, pesquisa e extensão e chefe do Grupo GEOCIS, Geotencologias em Ciência do Solo (http://esalqgeocis.wixsite.com/geocis), Brasil/Internacional.

 

Participacao: O projeto estará vinculado a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Departamento de Ciência do Solo

 
 

Professor Titular Da Universidade de Sao Paulo, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Departamento de Ciencia do Solo, na area de Sensoriamento Remoto Aplicado a Solos (Pedologia). Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal de Lavras (1990), Mestrado Solos e Nutrição de Plantas-ESALQ/USP (1992) e Doutorado Solos e Nutrição de Plantas - ESALQ/USP (1995). Livre Docente 1(1999), Livre Docente 3 (2012). Pós Doutorado no INPE (1995-1998); Universidade do Arizona EUA (1998), INRA, França (1998); CSIRO, Austrália (2010); Universidade da Califórnia, Davis (2014) e Texas A&M University, College Station (2014).Professor Titular na area de Sensoriamento remoto aplicado a solos (2015). Pesquisador do CNPQ desde 1997, atualmente 1C. Professor Titular nas disciplinas Manejo e Conservação do Solo (Graduação), Sensoriamento remoto aplicado a levantamento de solos (Pós-Graduação), Geoprocessamento e Sensoriamento remoto aplicados a manejo do solo (Especializacao). Lider da elaboração da Biblioteca Espectral de Solos do Brasil. Editor associado da Revista Brasileira de Ciência do Solo, Revista Brasileira de Cartografia, Geoderma Regiona, Geodermal e Remote Sensing. Coordenador do Laboratório de Sensoriamento remoto e geoprocessamento aplicado a solos e Planejamento do Uso da Terra. Membro dos grupos de pesquisa: World Soil Spectroscopy Group; Digital Soil Mapping; Digital Soil Morphometrics; Pedometrics; Rede Brasileira de Mapeamento Digital de Solos, Levantamento e Mapeamento de solos; Agricultura de precisao; Coordenador dos Grupos: Espectroscopia de Reflectancia de Solos do Brasil (CNPq) e Grupo de Pesquisa GeoCiS (Geotecnologias em Ciência do Solo). Participa do grupo internacional Soil Spectroscopy Group. Envolvido em ensino e pesquisa no uso de geotechnologias, sensoriamento remoto, geoprocessamento, levantamento e mapeamento de solos, mapeamento digital de solos, agricultura de precisão, planejamento do uso da terra, mapeamento de solos, grupos de manejo e ambientes de produção.

 

6 Importância do tema para os laboratórios tradicionais

As análises de solo via sensores vêm sendo descritas na literatura, e ocorrerá em algum momento como parceiro dos laboratórios tradicionais. Tal técnica não substituirá as análises tradicionais, mas fará parte dos mesmos como apoio na sua otimização. Como tal tecnologia já está em franco desenvolvimento, tanto no Brasil como no exterior, nosso intuito é iniciar um apoio a todos os laboratórios em ter esse conhecimento, para que, e em caso desejado, possa agregar a mesma em seus laboratórios. Portanto, temos como objetivo único fornecer subsídios aos laboratórios do Brasil nesta área de conhecimento, para que, democraticamente, tenham condições de tomar decisões mais assertivas e pessoais.

 

7 Perguntas, muitas perguntas

Nos últimos tempos, o que se ouve mais são perguntas, duvidas e questionamentos. Do que se trata essa tecnologia de sensores? Qual o fundamento? Consegue quantificar todos os elementos do solo? Inclusive os micronutrientes? Como, qual o fundamento? Como se usa este aparelho? Existem outros no mercado? Qual o custo? Isso realmente vai vingar? Quando? Esses aparelhos vao substituir os métodos tradicionais? Os resultados são mais assertivos do que os tradicionais? Qual o estado da arte desta tecnologia no Brasil atual e no mundo? Eu mesmo posso comprar um sensor e montar meu banco de dados? Como usar um banco de dados? Como entregar o resultado com a melhor qualidade para o usuário? Qual é a sequencia de trabalho desde a chgada da amostra em um laboratório ate a entrega do resultado? E Assim vai. Este programa pretende responder estas questões neste primeiro momento.

 

8 Atividades do programa

A seguir são ilustradas atividades especificas para quem tem amostras de terra em estoque e com as respectivas analises de solo. Todas as atividads serão realizadas na ESALQ pelo ministrante e sua equipe, sendo que a discussão dos resultados sera realizada com os participantes em data indicada. São atividades a ser desenvolvidas neste programa conforme segue:

 

 

 

a)        Cada laboratório inscrito deverá doar 20 g de amostras de terra (que já tenham em seu estoque) secas e moídas (2 mm), com as respectivas análises de solo disponíveis (tendo no mínimo análise química e granulométrica, e se possível micronutrientes e/ou outras). Número de amostras inicialmente estipulado é de 200 (sempre da camada 0-20 ou 0-25 cm). Exemplo da planilha em excell:

b)   As amostras deverão selecionadas de locais o mais distintos possível da camada 0-20 cm ou 0-25 cm (não precisam ser georreferenciadas). Ou seja, escolher as amostras com alta variabilidade textural e química de locais diferentes. Para tanto, o laboratório terá que fazer esta seleção via análises de solo e que ainda possuam as amostras de terra.

c)   As amostras selecionadas deverão ser enviadas a: ESALQ/USP; Departamento de Ciencia do Solo, Prof. Jose Alexandre Dematte, Avenida Pádua dias 11, Bairro agronomia, cep 13418-900, Piracicaba, São Paulo. 

d)      As amostras passarão por leituras em sensores na faixa Vis-Nir (400-2500 nm), no laboratório de sensoriamento remoto aplicado a solos, Departamento de Ciência do Solo.

e)    Será montado um banco de dados de cada laboratório integrante linkando as análises de solo realizadas no laboratório com os dados de sensores. Ou seja, o seu laboratório terá seu próprio banco de dados a titulo de aprendizado. Isto permitirá ver como se chegam aos teores dos elementos do solo via sensores.

f)       Serão rodados modelos de quantificação em software específico

g)      Será construída uma apostila com as explicações teóricas do método;

h)      um tutorial ensinando como usar os dados obtidos;

i)      um software gratuito para manipulação de dados;

j)      um banco de dados próprio de seu material em planilha Excel.

k) Finalmente os inscritos serão chamados a reunião na ESALQ onde serão apresentados os conceitos teórico práticos e discussão dos resultados. Os resultados apresentados não darão indicação dos proprietários dos dados.

l)    Os participantes, caso desejarem, participação com seu nome em artigo científico a ser divulgado em jornais e revistas (opcional).

m) Ver fluxograma ilustrativo do projeto (ultima pagina anexo)

 

9 Cronograma e atividades

Inscrição- Contato inscrições abertas em: www.fealq.com.br, ir em Cursos e eventos. Vagas limitadas. Valor: R$ 4000,00 por representante de um laboratório, podendo levar um acompanhante por taxa extra de R$ 1000,00 

Até 19 de outbro 2018

Envio de instruções das atividades aos laboratorios

 

Ate 19 outubro

Envio dos dados ao laboratório (local ver item 8c)

(Deverão ser enviadas devidamente embaladas e identificadas em saquinhos plásticos, mínimo 20 gramas). Juntamente deve acompanhar as análises de solo (química e granulométrica) em planilha excell com a mesma sigla dos saquinhos. Especificar a metodologia realizada para cada elemento dentro do próprio excell em aba específica

Até 20 outubro 2018

Data máxima para chegar na ESALQ

30 outubro 2018

Fundamentacao teórica do sensoriamento remoto; fundamentacao em analise de solo

15 fevereiro de 2019, 19:30 as 22:00

a)       Apresentacao teórica em como foram gerados e processados os dados enviados pelos laboratórios

b)      Discussão dos resultados

16 fevereiro 2019, 8-12hs

a)       O estado da arte dos sensores em analises de solo no Brasil e no mundo;

b)      Importancia, outros equipamentos, custos

c)       Debates e questionamentos

d)      Visita ao laboratório.

16 fevereiro 2019, 13:30-18 hs

Ao final, entrega do material: Apostila teórica e fundamentos, apostila tutorial pratica do uso software, software gratuito, banco individual de cada laboratório em excell.

16 fevereiro ao final

 

Resultados esperados

O PROBASE 1, será o primeiro passo na direção do futuro dos laboratórios, podendo ocorrer desdobramentos para outros programas. Espera-se que neste primeiro programa, os laboratórios consigam melhor avaliar as novas tecnologias e criar massa critica sobre o tema.

 

Referências

Amostragem por espectroscopia

RAMIREZ-LOPEZ, L.; SCHMIDT, K.; BEHRENS, T. ; VAN WESEMAEL, B.; DEMATTÊ, J.A.M. ; SCHOLTEN, T. Sampling optimal calibration sets in soil infrared spectroscopy. Geoderma (Amsterdam), v. 11588, p. 1-11, 2014.

Espectroscopia e quantificação de solos

ARAÚJO, S. R., SÖDERSTRÖM, M., ERIKSSON, J., ISENDAHL, C., STENBORG, P., DEMATTÊ, J.A.M. Determining soil properties in Amazonian Dark Earths by reflectance spectroscopy. Geoderma, v. 237, p. 308-317, 2015.

Biblioteca spectral e quantificacao de solos

TERRA, F.S.; VISCARRA-ROSSEL, R.; DEMATTÊ, J.A.M. Spectral libraries for quantitative analyses of tropical Brazilian soils: comparing VisNIR and Mid-IR reflectance data. Geoderma, GEODER9584.

Biblioteca espectral e classificacao de solos

BELLINASO, H.; DEMATTÊ, J.A.M.; ARAUJO, S.R. Soil Spectral library and its use in soil classification. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 34, 861-870, 2010.

Espectroscopia e classificacao de solos

VASQUES, G.M. ; DEMATTÊ, J.A.M. ; RAMÍREZ-LÓPEZ, L. ; TERRA, F.S. Soil classification using visible/near-infrared diffuse reflectance spectra from multiple depths. Geoderma, 223–225,  73–78, 2014.

Espectroscopia e formacao de solos

DEMATTÊ, J.A.M. ; TERRA, F.S. Spectral pedology: A new perspective on evaluation of soils along pedogenetic alterations. Geoderma (Amsterdam), v. 217-218, p. 190-200, 2014.

Imagens de aviao hiperespectral

FRANCESCHINI, M.H.D; DEMATTÊ, J.A.M.; TERRA, F. da S.; VICENTE, L.E.; BARTHOLOMEUS, H.; SOUZA FILHO, C.R. de. Imaging spectroscopy and accurate prediction of topsoil properties highly weathered sils: the influence of fractional vegetation cover. International Journal Applied Earth Observation & Geoinformation, International Journal of Applied Earth Observation and Geoinformation 38 (2015) 358–370.

Imagens de satélite multiespectrais

NANNI, M. R.; DEMATTÊ, J. A. M.SILVA JR.; C. A. ; ROMAGNOLI, F.; SILVA, A. A.; CEZAR, E. Soil Mapping by Laboratory and Orbital Spectral Sensing Compared with a Traditional Method in a Detailed Level. Journal of Agronomy (Print), v. 13, p. 100-109, 2014.

DEMATTÊ, J.A.M.; GALDOS, M.V.; GUIMARÃES, R.; GENU, A.M.; NANNI, M.R.; ZULLO, Jr. J. Quantification of tropical soil attributes from ETM+/Landsat-7data. International Journal of Remote Sensing, on line june, 0275-7257, 1-17, 2007.

DEMATTÊ, J.A.M., ALVES, M.R.; TERRA, F.S; BOSQUILA, R.W.D. Multi-temporal satellite images fused as with bare soil and its approach on soil texture classification in tropical areas. International Journal of Remote Sensing, PAP-2014-1007

Gamaespectrometria

R. A. VISCARRA ROSSEL, H. J. TAYLOR & A. B. MCBRATNEY.  Multivariate calibration of hyperspectral g-ray energy spectra for proximal soil sensing. European Journal of Soil Science, February 2007, 58, 343–353

VISCARRA-ROSSEL, R. A. V.: WEBSTER, R. KIDD, D. Mapping gamma radiation and its uncertainty from weathering products in a Tasmanian landscape with a proximal sensor and random forest kriging. Earth Surf Process Landforms, Vol. 39, pp. 735–748, 2014.

Sensores no campo

FIORIO, P.R.DEMATTÊ, J.A.M. ; NANNI, M. R. ; GENÚ, A.M.; MARTINS, J. A. In situ separation of soil types along transects employing Vis-NIR sensors: a new view of soil evaluation. Revista Ciência Agronômica (UFC. Online), v. 45, p. 433-442, 2014.

Mapeamento digital

ARRUDA, G. P., DEMATTÊ, J. A. M., CHAGAS, C. S. Mapeamento digital de solos por redes neurais artificiais com base na relação solo-paisagem. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 37:327-338, 2013.

BAZAGLIA FILHO, O.; RIZZO, R.; LEPSCH, I.F.; PRADO, H.; GOMES, F.H.; MAZZA, J.A.DEMATTÊ, J.A.M.. Comparison between detailed digital and conventional soil maps of an area with complex geology. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 37, p. 1136-1148, 2013.

Integração de geotecnologias

VASQUES, G.M.; VISCARRA-ROSSEL, R.; DEMATTÊ, J.A.M., RAMIREZ-LOPEZ, L. TERRA, F.S.; RIZZO, R.; SOUZA FILHO, B.  Integrating geospatial and multi-depth laboratory spectral data for mapping soil classes in a geologically complex area in southeastern Brazil. European Journal os Soil Science,  prelo, 2015, EJSS13714-R1.

DEMATTÊ, J. A. M.; RIZZO, R.; BORTOLETTO, M. A. M. Método geotecnológico integrativo na caracterização de solos desenvolvidos de diferentes materiais de origem. Bragantia, Campinas, v. 70, n. 3, p.638-648, 2011.

DEMATTÊ, J.A.M., RIZZO, R.; BOTTEON, V. Soil mapping by integration of digital terrain models, spectral and photopedology. Ciência Agronômica, prelo 2015, 3352

ALVES, M.R.; DEMATTÊ, J.A.M.; BARROS, P.P.S. Multiple technological tools on digital soil mapping in tropical soils. Revista Brasileira de Ciência do Solo, ref 410/14.